Terceiro Brasão

Americana dispõe em sua história, de aspecto singular dentre os municípios do Estado de São Paulo mas, nem o primeiro estema americanense nem o segundo tiveram qualquer preocupação em lembrar esse importante fator histórico, qual seja a fixação dos colonos norte-americanos em território americanense, tão importante que justificou o topônimo que o município ostenta. Nenhum outro município brasileiro pode licitamente trazer, como traz o brasão de armas de Americana, referência aos Confederados do Sul dos Estados Unidos da América, o que torna o terceiro brasão de armas de Americana sem similitude frente aos estemas municipais brasileiros. No terceiro brasão de armas americanense foram mantidas as abelhas, a colmeia e a divisa "Ex Labore Dulcedo", enquanto que a indústria têxtil se fez representar pela roca de fiar. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SÃO PAULO 28 de Dezembro de 1993. Lei Municipal nº 1.408, de 03 de Novembro de 1975, que "dispõe sobre os símbolos do Município de Americana". "Art. 2º - O Brasão de Armas de Americana, idealizado pelo Dr. Lauro Ribeiro Escobar, do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito, assim se descreve: escudo redondo, de goles, com uma aspa firmada de blau (azul), debruada de prata e carregada de treze estrelas de cinco pontas do mesmo, acantonada em chefe de uma colmeia entre duas abelhas e em ponta de uma roca, tudo de ouro. O escudo é encimado de coroa mural de prata, com oito torres, suas portas abertas de goles e tem como tenentes dois integrantes da Guarda Nacional do Império, em uniformes característicos de gala. Listel de goles, com a divisa "Ex Labore Dulcedo" em letras de ouro. Art. 3º - O Brasão de Armas ora instituído tem a seguinte interpretação: I - O escudo redondo, ou ibérico, era usado em Portugal à época do descobrimento do Brasil e sua adoção evoca os primeiros colonizadores e desbravadores da nossa Pátria. II - A aspa, ou cruz de Santo André, de blau (azul), debruada de prata e carregada de treze estrelas deste metal, em campo de goles (vermelho), é simbolismo da bandeira adotada pelos Estados Confederados, por ocasião da Guerra de Secessão Americana, aludindo aos colonizadores vindos do grande país irmão ao fim daquela guerra civil, que, radicando-se em nosso Município, contribuíram eficazmente para seu progresso, inspirando-lhe até mesmo o topônimo. III - A cor goles (vermelho) representa audácia, valor, galhardia, nobreza conspícua, valentia, intrepidez, magnanimidade e honra, aludindo aos atributos dos munícipes, que desde os primórdios do povoamento da região, demonstram ânimo intimorato na luta pelo seu engrandecimento, transformando-a no próspero Município de hoje. IV - A cruz patenteia a profunda fé cristã dos munícipes e as estrelas constituem símbolo heráldico indicativo de luz nas trevas da noite, guia seguro, celebridade, aspiração às coisas superiores e às ações sublimes, patenteando a ação firme dos administradores e o intento de levar o Município à sempre mais destacada posição. V - A cor blau (azul) tem o significado de justiça, formosura, doçura, nobreza, firmeza incorruptível, virtude, dignidade, zelo e lealdade; e o metal prata, de felicidade, pureza, temperança, verdade, franqueza, formosura, integridade e amizade, simbolismo alusivo a administradores e munícipes que, em clima de compreensão e harmonia, somam esforços pelo bem do Município. VI - A colmeia indica a indústria, o trabalho inteligente e eficaz, a sinceridade; a abelha, a atividade, o trabalho, a indústria previdência, parcimônia e doçura, lembrando a operosidade do povo de Americana. VII - A roca é evocativa da indústria têxtil, que contribuiu poderosamente para o progresso do Município e o metal ouro representa prosperidade, esplendor, glória, poder, força, fé, generosidade, constância, soberania e mando. VIII - A coroa mural é o símbolo da emancipação política, e, de prata, com oito torres, das quais apenas cinco estão aparentes, constitui a reservada às cidades. As portas abertas proclamam o caráter hospitaleiro do povo de Americana e a cor goles (vermelho), na posição em que se encontra na cora mural, e por ser no Brasil indicativa do Direito e da Justiça, está a lembrar que Americana é cabeça de Comarca, como a dizer "Dentro destas portas, encontrareis a Justiça". IX - Os integrantes da Guarda Nacional do Império ladeando o escudo, em uniformes característicos, evocam os próceres que recepcionam Sua Majestade o Imperador D. Pedro II e sua comitiva, quando da inauguração da Estação Ferroviária, em 1875, ponto de partida para progresso da região. X - No listel, a divisa "Ex Labore Dulcedo" é a tradicional e consagrada de há muito no Município, exteriorizando o denominador comum dos munícipes, que objetivam o bem, através do trabalho diuturno. Art. 4º - O Brasão de Armas de Americana é exclusivo do Poder Público Municipal e será usado: I - Obrigatoriamente: a. na correspondência oficial, documentos e demais papéis; b. no gabinete do Prefeito Municipal e na sala das sessões da Câmara de Vereadores. II - Facultativamente: a. na fachada dos edifícios públicos; b. nos veículos oficiais; e c. nos locais onde se realizem festividades promovidas pela municipalidade."