Plano Municipal de Mobilidade Urbana é discutido em audiência pública

Publicado em: 14 de maio de 2015

Selecione a Imagem

A Câmara Municipal de Americana realizou na quarta-feira (14) audiência pública para debate do Plano Municipal de Mobilidade Urbana. A audiência foi solicitada pelos vereadores Davi Ramos (PC do B) e Joãozinho do Quiosque (PSB).

 

Participaram da audiência o presidente da Câmara Municipal de Americana, vereador Pedro Peol (PV), os vereadores Celso Zoppi (PT), Davi Ramos, Eduardo da Farmácia (SDD), Joãozinho do Quiosque, Moacir Romero (PT), Téo Feola (PC do B) e Tonhão do Veteranos (PMDB), o secretário de Planejamento, Cláudio Rodrigues Amarante, o engenheiro José Arnaldo Duarte, representando o secretário de Obras e Transporte, Eraldo Camargo, a representante da Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA), Dra. Ivana Tobias de Sá, e o representante do sindicato dos Condutores de Americana, Nadir José Migliorin.

 

Durante a audiência, a população teve a oportunidade de realizar questionamentos e sugestões, que foram respondidos pelos membros da Mesa.

 

Um dos autores da proposta que originou a audiência, Davi Ramos explanou sobre a importância da discussão da mobilidade urbana com a população. “Esse é um ano que se discute diversos planos e essa discussão é fruto de quando discutimos o PDDI, de uma série de regulamentações e leis federais do Ministério das Cidades. Os planos de mobilidade urbana só deram certo nos locais em que houve a consulta popular. Queremos que as pessoas participem e construam um plano no exercício da cidadania”, disse.

 

“Hoje em Americana temos aproximadamente 170 mil veículos cadastrados e mais 40 mil carros de cidades vizinhas. O carro não é apenas um luxo, e sim uma necessidade para a locomoção. Dessa forma, a frota aumenta cada vez mais, e precisamos ter um engajamento, com representantes do Poder Executivo, Legislativo e da sociedade para podermos resolver essas questões”, disse Joãozinho.

 

Amarante falou sobre o projeto de mobilidade para a cidade de Americana. “Existem diversos erros no Brasil que precisam ser corrigidos, então é muito mais do que pensar no transporte coletivo. A grande virtude do plano que estamos resgatando em Americana é que ele colocou em discussão o transporte de tração animal e principalmente o coletivo, a ciclovia, e é principalmente isso que faz com que a coisa ande corretamente. Outra grande virtude do projeto é a universalização do transporte coletivo, a utilização correta do transporte, não só de pessoas, mas de bens de consumo. Pedimos a colaboração de toda a sociedade organizada para construímos juntos um plano que resolva o problema de nossa época”, ressaltou.

 

“A CPA, muito preocupada com a mobilidade daqueles que tem dificuldade de locomoção, se faz presente a fim de ouvir quais os planos efetivos que a cidade de Americana, que é uma cidade ainda muito jovem. Esperamos que efetivamente tenhamos condições de dar a população melhorias na mobilidade”, expôs Dra. Ivana.

 

Para o representante do sindicato dos Condutores, o plano de mobilidade precisa dar prioridade ao transporte coletivo. “Quando se faz uma mudança no trânsito da cidade, nós vemos o sofrimento do condutor. O sindicato acredita que, quando se faz uma melhoria nas ruas e avenidas, ela tem que ser realizada pensando no transporte coletivo. Se não pensarmos desse jeito, no futuro, quem utiliza desse meio de locomoção vai cada vez mais se afastar do transporte público devido à demora na mobilidade”, explicou Migliorin. 

 

“O problema enfrentado com a mobilidade não é exclusividade do nosso município. As cidades brasileiras hoje vivem uma crise de mobilidade urbana. O Poder Público tem a necessidade de preparar as ruas para a mobilidade, e é uma tarefa muito difícil. A extensão territorial de Americana é muito pequena, então sobra pouco espaço pra dividimos com os carros circulando. Existe também um fluxo muito intenso de pessoas vindo pra Americana e o fator do crescimento populacional. Por outro lado, temos o problema do desenho da malha viária, que é complexo e descontínuo. Além disso, demoramos muito para termos o primeiro Plano Diretor, que orientava todo esse processo do desenho urbano e viário”, disse Duarte.

 

Ao final da audiência, foi decidido pela realização de uma consulta popular nos bairros da cidade em parceria com o Poder Executivo e entidades da cidade e a elaboração de um projeto de decreto legislativo de acompanhamento do plano municipal de mobilidade apresentado pela prefeitura. “Vamos compilar as propostas da população, e realizar uma seleção das ideias viáveis. Após essa etapa, realizaremos uma nova audiência para finalizarmos o Plano de Mobilidade Urbana”, conclui Davi.

 


Escrito por: Assessoria de Comunicação

Categoria: Audiências Públicas

Compartilhe essa notícia

Notícias Relacionadas