Histórico da Câmara Municipal de Americana

O município de Vila Americana foi criado por lei em 12 de novembro de 1924, sendo instalado oficialmente em 15 de janeiro de 1925. Nesta data, foi realizada a primeira sessão da Câmara Municipal de Vila Americana, que foi presidida por Luiz Delben, vereador mais idoso da então chamada Corporação Legislativa, em conformidade com a legislação vigente à época. Delben também presidiu as sessões preparatórias para a criação de Vila Americana, realizadas nos dias 7 e 9 de janeiro de 1925.

Nessa sessão de instalação de município, posse dos vereadores e eleição da Mesa Diretora, Liráucio Gomes foi eleito o primeiro presidente da Câmara Municipal. Foi também eleito o primeiro Prefeito Municipal de Americana, Jorge Gustavo Rehder, que exerceu o cargo no período de 1925 a 1927. A eleição era indireta e Rehder foi eleito pelos próprios vereadores.

Documentos existentes na Câmara Municipal de Americana revelam que a legislatura de 1925 teve sua vigência por curto período, pois outra eleição ocorreu no mesmo ano, para o triênio de 1926 a 1928. Os mesmos vereadores da primeira legislatura foram eleitos para o triênio seguinte.

A primeira Câmara era integrada por: Luiz Delben, Liraucio Gomes, Sebastião Antas de Abreu; Ângelo Orlando e Jorge Gustavo Rehder. As atas dos meses de outubro e novembro de 1928 registram a presença, entre os vereadores, de Antonio Strieder, que teria sido o primeiro suplente a exercer a vereança em Americana.

Luiz Delben, eleito como o vereador mais idoso, presidiu novamente as sessões preparatórias, bem como a solenidade de instalação e posse dos vereadores em 15 de janeiro de 1926.

O vereador Liráucio Gomes foi novamente eleito o presidente da Câmara Municipal, sendo reconduzido nos anos seguintes. Ele ocupou o cargo até o final do mandato, em 15 de janeiro de 1929.

A Terceira Legislatura da Câmara Municipal de Americana foi destituída pelo Estado Novo, decretado em 10 de novembro de 1937. A Câmara só voltou a se instalar no ano de 1948, com a posse dos eleitos em 1947, após a redemocratização do Brasil.

Nos livros de história, esta é considerada a Primeira Legislatura do município.

Depois da redemocratização: 1º Legislatura (1948-1951); 2º Legislatura (1952-1955); 3º
Legislatura (1956-1959); 4º Legislatura (1960-1963); 5º Legislatura (1964-1969); 6º Legislatura (1969-1973); 7º Legislatura (1973-1977); 8º Legislatura (1977-1983); 9º Legislatura (1983-1988); 10º Legislatura (1989-1992); 11º Legislatura (1993-1996); 12º Legislatura (1997-2000); 13º Legislatura (2001-2004); 14º Legislatura (2005-2008); 15º Legislatura (2009-2012); 16º Legislatura (2013-2016).

Por muitos anos, a Câmara ficou sediada no Paço Municipal Javerte Galassi, junto à prefeitura municipal. Em 2007, transferiu-se para o tradicional prédio da Praça Divino Salvador, onde antigamente funcionava o Colégio Divino Salvador.

Arquivo Histórico e Biblioteca

Em 2008, a Câmara Municipal de Americana inaugurou o Arquivo Histórico “Diógenes Benedicto Gobbo” e a biblioteca “Dr. Jessyr Bianco”, através de decreto legislativo de autoria do vereador Marco Antonio Alves Jorge, o Kim.

O Arquivo Histórico “Diógenes Benedicto Gobbo” fica localizado no primeiro piso e conta com vídeos, fotos e documentos históricos da vida política de Americana, que ajudam a contar a história da formação e desenvolvimento da cidade. O arquivo fica permanentemente aberto à população para visitas e pode receber doações de materiais como fotografias, documentos e objetos relacionados ao Legislativo.

A denominação do arquivo é uma homenagem que a Câmara presta ao senhor Diogenes Benedicto Gobbo, servidor aposentado que prestou relevantes serviços a esta Casa de Leis e sempre procurou zelar pelos documentos que retratam os fatos políticos, administrativos e sociais desde a instalação da Câmara Municipal. Além de servidor da Câmara, Diógenes começou a trabalhar no jornal O Liberal logo após sua fundação, na década de 50, e exerceu cargos de repórter, editor, editor-chefe, editor de opinião e colunista. Faleceu em 2011.

A biblioteca “Dr. Jessyr Bianco”, localizada ao lado do arquivo histórico, conserva jornais da cidade desde a década de 50 e livros relacionados a leis federais, municipais e estaduais, além de revistas e outras publicações. O espaço também fica aberto ao público para consulta durante o expediente da Câmara, das 8h às 17h.

Jessyr Bianco nasceu em Corumbataí, então distrito de Rio Claro, e veio para Americana aos 13 anos na companhia do pai, que buscava emprego. Trabalhou em indústrias têxteis da cidade, formou-se em Direito na primeira turma da Pontifícia Universidade Católica de Campinas e elegeu-se vereador em 1963 e em 1968. Foi secretário executivo do Legislativo durante dez anos e fundador do O Liberal. Faleceu em 2011.