Medalha de mérito “Princesa Tecelã” é entregue a Adílson Gombradi em sessão solene

Publicado em: 29 de janeiro de 2020

Selecione a Imagem

 

A Câmara Municipal de Americana realizou na terça-feira (28) sessão solene para a entrega de medalha de mérito “Princesa Tecelã” a Adilson Gombradi, pelos trabalhos realizados na área cultural do município de Americana. A homenagem foi motivada por projeto de decreto legislativo de autoria do vereador Gualter Amado (Republicanos).

 

Participaram o vereador Gualter Amado, a irmã do homenageado, Maria Teresa Gombradi, integrantes do Coral Vocalis e convidados, amigos e familiares do homenageado. Durante a solenidade, o Coral Vocalis brindou os presentes com uma apresentação musical, regida pelo maestro Adílson, homenageado da noite.

 

O vereador Gualter Amado destacou a importância do trabalho desenvolvido pelo homenageado pela cultura americanense. “O Adílson poderia simplesmente guardar para si esse dom que Deus lhe deu, mas ele levou seu dom ao próximo, ensinando as pessoas. É de mais pessoas assim que precisamos. Que Deus continue sempre te abençoando para continuar levando a música ao próximo. Parabéns”, disse.

 

O homenageado usou a palavra para agradecer pela concessão da medalha. “A todos os presentes aqui, agradeço pois cada um de vocês me ajudou nesta caminhada. Ao Coral Vocalis, essa homenagem existe porque vocês fazem esse trabalho comigo, então também dedico a vocês. Muito obrigado a todos”, discursou Adílson.

 

Biografia – Adilson Gombradi

 

Adilson Gombradi nasceu em 02 de dezembro de 1963 em Campinas. Mudou-se para Santa Bárbara d’ Oeste ainda criança. Nascido em uma família de músicos: seus pais foram os fundadores do Coral da Irmandade do Santíssimo Sacramento da igreja matriz de Santa Bárbara d’ Oeste.

 

Iniciou os estudos de música aos 10 anos, com aulas de piano. Demonstrando muito talento, logo passou a ser o segundo organista do coral, tocando em casamentos. Aos 15 anos, passou a dar aulas para ajudar a pagar seus estudos. Em 1983, ingressou no conservatório de música e em 1985 formou o Coral Uirapuru, em Iracemápolis. Mudou-se para Americana em 1986, devido ao grande número de alunos que possuía na cidade. No mesmo ano, concluiu o conservatório como Pianista Erudito.

 

Foi fundador e regente do Coral Municipal de Santa Barbara d’Oeste. Fundador do  Coral da Igreja de São Domingos. Formou o Coral da Casa de Cultura, que em 1998 passou a ser o Coral Ítalo-Brasileiro. Em março de 1999 participou com os Corais Vocalis, Italo e São Domingos da reabertura do Teatro Municipal com Orquestra Sinfônica.

 

Em 2003, foi procurado pela diretora da Associação Oficina Mãe de Iracemápolis para dar aulas de canto para as crianças e montar o Coral Oficina Mãe. Em 2006, foi convidado pela Advogada Dra. Spadinha para reativar o Coral da OAB Americana.

 

Foi regente da orquestra Sinfônica de Americana na Missa de Réquiem com o Coral Vocalis e o Coral Lírico de Rio Claro.  Em 2011, criou a Orquestra Vocalis de estudantes de música, para apresentação de final de ano com os coros.

 

Idealizou em 2015 o 1° Festival de Música Sacra para coros e o “Concerto de Música Inesquecíveis”, com participação na reabertura do Teatro Municipal de Americana Lulu Benencase. Em 2016 passou a dar aula de musicalização infantil nas EMEIs. Foi também o formador do Curso de Teoria Elementar da Música para professores da secretaria de Educação de Americana, para desenvolvimento em escolas municipais.

 


Escrito por: Coordenadoria de Comunicação

Categoria: Sessões Solenes

Compartilhe essa notícia

Notícias Relacionadas